Oprofeta

Oprofeta

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Como uma pedra

Chutado rolo como pedras soltas no espaço.
Rolo, rolo mas não me esfolo.
Machucado choro.
Choro mas não chuto, não chuto nada, não chuto ninguém.
Sem chutar alguém sou chutado,
Chutado rolo, rolo como pedras,
Como pedras que caiem depois de terem sido atiradas em mim.

Caio como pedras!
Caio pesado no chão que se abre em fendas e sangra.
Sangra e chora as minhas dores,
A dor de ser chutado.
Choro e assisto lágrimas brotarem dos meus olhos
Que choram as tristezas da vida.
Vida que míngua no final do dia como se fora o por do sol.

Pesado como os pesadelos caio sobre os telhados e rolo.
Rolo até ser engolido por uma fenda que fecha-se sobre mim,
Tal qual a luz que apaga-se como um pensamento interrompido
No meio de um grito sufocado.
Chutado rolo,
Rolo e sangro como as pedras.

                                  &

É hora - It's time



É agora! É hora, vou! Vou ficar, vou olhar, vou ver,
Vou lá. Vou! Vou pensar, vou sair, vou te encontrar,
Vou amar e chorar. Vou chorar a dor causada por
Um sorriso zombeteiro que zomba da minha tristeza.

É agora, é já! Vou! Vou sair, vou correr atrás das
Estrelas cadentes, enquanto observo os sonhos
Caírem do céu e se perderem. Vou! Vou pegar os
Sonhos perdidos e sonhá-los, vou! Vou sonhar
Sonhos esquecidos dos quais, quando acordado,
Não me lembro.  

É noite e o céu mudo me observa enquanto a sua
Beleza, de falsa simplicidade, subjuga a beleza dos
Sorrisos. Madrugada alta, o perfume do silêncio
Impregna tudo a sua volta e é hora. Vou ficar, vou
Procurar um sorriso que deixou de brilhar, que
Deixou de brilhar em meus lábios quando neles a
A noite se deitou.


                                    *


It's time


This is it! It's time, I go! I'm staying, I will to take a look,
I will see, I will go. I will go! I will think, I am going out,
I'll find you, I will fall in love and I will cry. I will weep
Because of the pain caused by a mocking smile that
Mocks my sadness.

It is now, is now! I will go! I'm leaving; I will run after
The shooting stars as I watch the dreams to fall from the
Sky and get lost. I will! I'll get the lost dreams and
Dream them up, I will go! I will dream the forgotten
Dreams which, when I am awaked, I do not remember
Them.

Its night and the sky watch me while it’s Beauty, which
Has a false simplicity, overwhelms the beauty of  the
Smiles. It is dawn, the scent of silence permeates
Everything around it and it is time. I will stay, I will
Look for a smile that stopped to shine, a smile which
Ceased to shine on my lips when night lay down on it.


                            *

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

A paixão - The passion


Eu acredito no amor! Acredito na paixão lúcida e não trato
A paixão desvairada como uma insanidade. Acredito na
Embriagues do amor e também bebo deste licor! Bebo o
Gosto amargo de todas as dores que a paixão traz e
Apaixono-me outra vez. Creio, eu acredito que sob o efeito
Louco da paixão existe uma felicidade inexplicável a qual
A razão nunca haverá de querer explicar.

Acredito no poder das flores! Acredito serem as flores
A chave universal, serem elas a chave que abre a porta dos
Corações, eu acredito. Eu acredito na magia do amor!
Creio que os apaixonados experimentam sensações que 
Nenhum outro espírito, se não o amor, consegue
Proporcionar. Eu acredito no feitiço do amor amando
Apaixonadamente, do amor insano tomado por loucuras
Que tornam os atos provenientes destes sentimentos
Normais.

Acredito! Acredito e penso serem plenamente normal os
Atos desvairados cometidos pelos apaixonados. Creio que
O prateado da lua, em meio aos mistérios da madrugada,
Mistura-se ao perfume da brisa para embriagar, para
Enfeitiçar os corações e torná-los suscetíveis a paixão.
Eu acredito, sem a pretensão explicar, não ter a paixão 
Respeito por nenhum coração. 

                               *


The passion


I believe in love! I believe in a lucid passion and I do not
Tract passion as a wild insanity. I believe in drunkenness
Of love and I also drink this liquor! I drink the bitter
Taste of all the pain that passion brings and I fell in love
Again. I believe, I believe that, there, under the mad
Influence of  the passion, is a unexplained happiness
Which the reason may not want to explain.

I believe in the flower’s power! I believe that flowers are
The universal key, the key that opens the door of any heart,
I believe. I believe in the magic of the love! I believe that
The lovers experiences sensations that another spirit can
Not provide. I believe in the spell of love, loving
Passionately, I believe in the insane love full of madness
That makes this acts coming from these feelings normal.

I believe! I believe and I think to be completely normal all
The crazy acts committed by those in love. I think that the
Silvery of the moon, amid the mysteries of the night, it
Blends the scent of the breeze to get drunk, to charm the
Hearts and make it susceptible to passion. I believe,
Without to try to explain, that passion has no respect for
No heart.

                                      *

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

FALE COMIGO - TALK TO ME

Prezados leitores, para comentários e críticas voces podem contactar-me
nos seguintes endereços;

semcontar@hotmail.com, voltapreu@hotmail.com e semcontar@gmail.com

Grato,

Mauro Lucio

************************************************************************
 
Dear readers, for comments and criticisms you may be contact me at the following addresses;

semcontar@hotmail.com, voltapreu@hotmail.com  and  semcontar@gmail.com

Thank you,

Mauro
Lucio

domingo, 18 de dezembro de 2011

Eu no Palacio do Itamaraty - It is me at the Itamaraty Palace in Brasília.


























O peso da minha cruz - The weight of my cross



O peso da Cruz que carrego, esfola o meu ombro já arqueado pelo
Tempo, e o faz sangrar. O peso da minha Cruz me faz falar de
Dores que não experimentei, de terrores que nunca encontrei, que
Não vivi. O peso do meu pensar torna esta Cruz mais pesada do
Que ela de fato o é. Insisto em acreditar que esta Cruz não é
Minha, que ela é um legado que recebi de um tempo que não vivi,
Que ela é a Cruz sob a sombra da qual buscarei abrigo quando
A vida me abandonar. O peso da Cruz que carrego só não me é
Pesado quando, nas horas de desespero, derramo sobre seus
Ombros as minhas lágrimas.

Quando nasci não existia Cruz! A Cruz foi criada por ti para
Crucificar o amor que existe em meu coração. Te amo e me
Crucificas por eu te amar, confiei em ti e me traístes, te estendi a
Mão e a pregaste na Cruz e, quando me resignei, desprezaste a
Minha resignação. Os meus ombros agora arqueados pelo tempo
Não suportam mais o peso da Cruz que me entregaste. Cada vez
Que paro, retomar a caminhada me é tremendo sacrifício. Esta
Cruz não é minha, quando nasci não existia Cruz, Ela é o presente
Que me deste em retribuição ao amor que dediquei a ti.  

O peso da Cruz que colocaste sobre o meu ombro não me cansa
Tanto quanto o peso das injúrias que usaste como pretexto para
Crucificar-me. Olho para trás buscando compreender o passado e
Me convenço de que: quanto mais amo mais pesado sinto o peso
Da minha Cruz e sem querer me flagro invejando aqueles que
Nunca amaram, pois esses não carregam Cruz. Não! Não me
Arrependo por ter amado e menos ainda por continuar te amar.
Esta Cruz é minha e dela não me afastarei, não importa que os
Meus ombros sucumbam sob o seu peso porque será sob o pé
Desta Cruz que repousarei quando a vida me abandonar.

                             *

The weight of my cross


It is the weight of my cross skinning my shoulder, already arcade by
The time that makes it to bleed. Is the weight of my cross that makes
Me to talk about things that I never experienced, to talk about
Shadows which I never met, that  I have not lived. It is the weight of
My thinking that makes my cross heavier than it really is. I insist on 
Thinking that my cross is not mine, it is a legacy that I received from 
A time which I did not live here, I think it is the cross which in its 
Shadow I will lay down to rest when life get tired of carrying me on.
The only time my cross is not heavy to me is when, in despair, I pour
Over its shoulder my tears.

When I was born there was no cross! The cross was created by you,
To crucify the love that exists in me. I love you and, because of the
Love that I have for you, you crucify me, I trusted you and you
Betrayed me, I gave you my hand and you nailed it on the cross and
When I resigned myself, you despised my resignation. My shoulders,
Already bent by the age, no longer support the weight of the cross
That you delivered up to me and every time that I stop to rest, I is
More difficult to me to resume the walk. This cross is not mine, there
Were no cross when I born, it were you who gave this cross to me 
In return for the love that I gave you.

The weight of the cross that you placed on my shoulder does not
Get me tired as much as the weight of the injuries that you used
As an excuse for to get me crucified. When I look back trying to
Understand the past I am convinced that more I love, heavier my
Cross become and, suddenly, I get myself feeling jealous of those
Who never loved, those who have no love in their heart do not
Carry a cross on their shoulder.  No! I have do not regrets to have
Loved and, still less, for continue to love. All right! This cross is
Mine and I will not take it away. Let my shoulders, already bowed
Down by the time succumb under the weight of  the cross that I
Carry on  because it is at the foot of this cross that I will lay down
To rest, when life abandon me.


                              *

A chuva - The rain


A chuva molha todos os pensamentos a descoberto e os deita ao
Chão. No chão, os pensamentos rolam, enrolam-se no emaranhado
Das coisas da vida e se fazem entender. A chuva molha os sorrisos
Que se encontram sob o céu e os deita em seu colo gelado e ali os
Deixa encharcados, pesados e indispostos sem ânimo para
Enfrentar a caminhada contra o tempo. O vento sopra frio e esfria
Os lábios atrás dos quais escondem-se os sorrisos que a chuva não
Molhou. Quando a chuva para tudo se levanta, inclusive os
Pensamentos deturpados, que se perderam em inteligências vazias.

O sol aproveita a ausência da chuva e, disfarçadamente, olha por
Entre as nuvens, com medo de ser surpreendido por esta. A chuva
Cai e molha os pensamentos ainda não pensados roubando-lhes a
Cor, tornando-os medonhos, tristes. A chuva molha tudo que está
Sob o céu, inclusive os pensamentos que se recusam a ser pensados
E que depois de a chuva ter passado, retornam à suas origem
Desejosos de serem repensados. A chuva molha e deita ao chão
Pensamentos que nunca saem à luz, são pensamentos que,
Se molhados, não se expressam, ficam guardados escondido como
Tudo que a água leva para debaixo da terra e os deixa lá até que o
Sol os esturrique e dita sua sentença de morte.

A chuva molha tudo, molha até as coisas encobertas, escondidas
Em nossos pensamentos. A chuva molha o que é deixado exposto
Ao tempo e ao vento, molha as idéias e os ideais, se estes existirem.
A chuva molha os meus pensamentos quando estes procuram
Abrigo em teus pensamento, para entender o teu jeito de me
Interpretar. A chuva molha, deita tudo ao chão e ali os deixa até
Que se misturem ao barro encharcado e fique difícil de caminhar
Sobre eles. A chuva molha os pensamentos a descoberto e os deita
Ao chão e ali os afoga e pacificamente os assiste morrerem.

                               *


The rain


The rain wets all thoughts and lays it on the ground. At the
Ground, the thoughts roll; curl up in the tangle of the life’s
Things and make themselves understandable. The rain wets
All the smiles under the heaven and lay it into its cold lap
And there, leave it wet, heavy-hearted and unwilling to
Face the walk against the time. The wind blows cold, and
Cool the lips behind which hide the smiles that the rain did
Not soaked. When the rain stops, everything gets up,
Including the distorted thoughts which got lost in empty
Minds.

The sun takes advantage of the lack of rain and
Surreptitiously, look among the clouds, fearing to be
Surprised by it. The rain fall and wet the thoughts, not yet
Thought, robbing their color, making them fearful, sad.
The rain soaks everything under the sky, including the
Thoughts that refuse to be thought, which after the rain has
Passed, they return to their origin desiring to be rethought.
The rain wets and lies to the ground thoughts that never
Comes out to the light, they are thoughts that, if wet, do
Not express themselves, it stay stored, hidden as all that
The water takes to under the ground and leaves them there
Until the sun burn them, giving to them his death sentence.

The rain soaks everything; the rain soaks even the secret
Things even things hidden in our thoughts. The rain wets
What is left exposed in the time and to the wind. The rain
Water the ideas and ideals, if it is there. The rain wets my
Thoughts when my thoughts seek shelter in your thoughts
Trying to understand the way you interpret me. The rain
Water, pour everything to the ground and leave them there
Until it get mix to the soaked clay and becomes difficult
To walk over it. The rain wets the uncovered thoughts and
Lay them to the ground and there drown them and
Peacefully watch them die.


                                *

Filha - Daughter


Penso que não perceberás o sentido da morte quando esta chegar
Para mim, quando no meio do silêncio eu te disser adeus. Acho que
Não haverá tristeza em teu coração quando te falarem que morri.
Sim! Claro que alguém, não sei quem, te avisará da minha partida.
Há tempos que não falas comigo, já nem sei se sabes que ainda vivo,
Que existo. Não conheço estória igual a nossa mas se existir,
Certamente é uma estória muito triste. O meu peito vive cheio de
Saudades de ti, cheio vontade de estar contigo, de te viver.

Será que ainda te lembras quem sou? Será que te lembras que ainda
Vivo? É assustador o jogo que o destino esta jogando contigo, é
Aterrorizante a forma como tratas o amor. Apesar das frustrações,
Sou feliz. Sou feliz porque te curti, te vivi e experimentei a doçura
Do teu amor enquanto eras pequenina e amavas como os inocentes
Amam. Passei ao teu lado todo o tempo que o tempo me permitiu
Estar contigo. Agora, quando observo o jogo que jogas com a vida,
Me entristeço porque sei que vais perder. Ninguém vence o tempo
E o tempo entrega aos vencidos o arrependimento. Será que tu me
Reconheceria se encontrasses na rua?

Te chamo carinhosamente de filhota e tu não me chamas e quando
O faz, o faz com desprezo, não me chamas  "pai". A quem chamarás,
Quando precisares de alguém e eu já não estiver aqui? Já posso te
Ver abandonada em meio a tempestade, por tua amiga maldade. Ela
Mesmo! Esta criatura que hoje te estimula a me odiar. Filhota! Tenho
Tanto amor por ti que se pudesse voltar o tempo o voltaria só para
Me reencontra contigo onde comecei a te perder. Se tivesse outra
Chance, corrigiria o que naquela ocasião me passou despercebido.
Te amo filhota! Ainda que não queiras saber, te amo. Te amo e em
Oração conto para Deus a nossa estória, peço para que Ele tenha 
Misericórdia de nós, para que Ele te perdoe por rejeitares o amor 
Que tenho por ti.

                                *

 
Daughter


I do not think you'll not understand the meaning of death, when
Death comes to me! When, in the stillness, I say goodbye to you.
I think that there will be no sorrow in your heart when you hear
That I died. Yes! Of course some one, I don’t know who, will
Notify you of my departure. It is a long times you don’t talk to
Me, I even don’t know if you know that I am still alive, that I
Still exist. I don’t know if there is story like ours story, but if it
Exists, it is certainly a very sad story. I have my ghost full of
Desire to meet you, full of desire to be with you, desire to live
You.

Do you still remember who I am? Do you still remember that I
am alive? It's scary the game that fate is playing with you, it is
Frightening how you treat love. Despite the frustrations, I am a
Happy person. I'm glad because I enjoyed your company, I am
Happy because I've lived and experienced the sweetness of your
Love, when you were little and loved as the innocent ones love.
I spent at your side, all the time that the time allowed me to be
With you. Now, when I watch the game that you play with life,
I grieve because I know that you will lose. Nobody defeat time
And time delivery to the looser the repentance. Would you
Recognize me if you meet me on the street?

Affectionately I call you “my baby” and you do not call me and,
When you do so, you do it with contempt, calling me "Mauro".
To whom will you call when you need someone and I am no
Long here? I can already see you abandoned by your friends
Amid the storm, abandoned by your friend, wickedness.
The wickedness! This creature that encourages you to hate me.
My daughter! It is so much love that I have for you that, if I
Could turn back the time just to get back reunited with you
Where I started to lose you. If I had another chance I would
Correct what went unnoticed at that time. I love you my baby,
Even you do not want to know it, I love you! I love you and in a
Prayer I tell to God our story and I ask Him to have mercy on us,
I ask God to forgive you for reject the love that I have for you.


                                 *

Da janela - From the window

Da janela observo as pessoas caminhando, passando sem prestarem
Atenção umas nas outras. Elas caminham, cada uma isolada em seu
Universo ruminando os seus pensamentos ou sendo ruminado por
Estes. Algumas pessoas andam lentamente como se a vida esperasse
Por elas, outras caminham com passos normais como se para elas
Não fizesse diferença chegar ou não em seus destinos e há aquelas
Que correm como se estivessem indo socorrer alguém. Da janela
Observo as pessoas com semblantes carregados, rostos com expressão
De –  estou perdido –, como se nada mais neste mundo importasse.

Da janela me observo caminhando com passos que, se não apressados,
Moderados não são. Me observo passando de braço dado com o tempo
E, com expressão indefinida no rosto. Uma expressão que hora
A rumino e que hora, despercebido, sou ruminado por ela. Da janela
Me vejo caminhando de forma displicente, quase correndo, sem
Perceber a pressa me arrastando. Da janela vejo tudo acontecendo,
Vejo o dia nascer e vejo o dia morrer, vejo tudo. Da janela vejo quem
Esta na sombra buscar o sol e quem esta no sol buscar a sombra.
Vejo a vida em seu início e vejo-a, também, em seu final.

Da janela observo a vizinha negar comida ao pedinte que mais tarde
Volta para pegar, no lixo, a comida que lhe foi negada. Vejo a filha,
"Escondida da mãe“, namorar com o pai enquanto a mãe acaricia de
Forma indevida o seu filho que, crescido, já é um homem. Da janela
Vejo as verdades escondidas e ouço vizinhos criticarem seus vizinhos
Que cometem os mesmos atos que estes, as escondidas, cometem. 
Da janela vejo cachorros transando sob olhares curiosos de mulheres que,
Necessitadas de sexo, os olham fingindo não os ver e sinto, também, em
Seus sorrisos, quando com pele arrepiada de desejo de serem tomadas por
Machos que não sejam os seus machos que já não as procuram mais. Da
Janela da vida vejo tudo que a vida não me mostra quando não estou ali.

                                       *


From the window


From the window I see people walking, passing by without pay
Attention to each other. People walk, each one isolated in its
Universe ruminating their thoughts or being brooded by it.
Some people walk slowly as if life would wait for them, other
Walk as normal steps as if for them makes no difference to
Arriving or not at their destinations and there are those who run
As if they were going to rescue someone. From the window
I watch people with loaded faces, faces with expression of
- I'm lost - as if nothing else in this world mattered.

From the window watch myself walking with steps that, if not
Rushed, moderates it are not. I watch myself passing by arms by
Arm with time, with an undefined expression on my face. An
Expression that sometimes I ruminate it and sometimes,
Unnoticed, I am ruminated by it. From the window I see myself
Walking so ungracious, almost running, without to perceive
The rush dragging me. From the window I see everything
Happening, I see the sun rise and I watch the dying day, from
The window I see everything. From the window I see who is
in the shadow looking for the sun, and those is in the sun
Seeking for the shade. I see the life at its beginning and I see it
At its end too.

From the window I watch my neighboring deny food to the
Beggar who later comes back to pick up, at the trash, the food
That was denied to him. I see the daughter, "hidden from the
Mother" to date her father, while the mother caresses, in an
Improperly way her growing son, that is already a young man.
From the window I see the hidden truths and I hear my
Neighbors criticize their neighbors whose commit the same
Acts as they, hidden, has committed. From the window I see
Dogs fucking under prying eye of women whose in need of sex,
Pretending not to see them, and I also feel in their smiles, when
With goose bumps of desire of to be taken by a males that is not
Their male whose no longer seek them anymore. From the
Window of the life I see everything that life does not shows me
When I'm not there.

                                  *

O meu amigo partiu



Com apenas dezenove anos de idade, o meu amigo partiu. Ele não
me disse que pretendia partir tão cedo, acho que o meu amigo não
Sabia que partiria ontem e partiu. É! Ele não imaginava que
Partiria de forma tão repentina, tinha apenas dezenove anos!
O meu amigo era jovem, cheio de vida e sonhos. Ele partiu levando
Consigo seus sonhos não vividos, ele partiu. O meu amigo partiu
Quando ainda arava a terra onde semearia as sementes do seus
Futuro, sonhos que pretendia viver com intensidade. O meu amigo
Partiu sem despedir-se daqueles que tanto amava. Foi uma partida
Triste, solitária e súbita, sem chance de dar aquela olhadinha
Derradeira para trás.

O meu amigo partiu! Ele partiu de uma forma tão súbita que, ainda
Hoje, me é difícil crer que aconteceu. É-me estranho pensar que
Jamais conversaremos novamente, que não nos veremos mais, que
Ele não voltará. É! O meu amigo partiu e deixou-me uma mensagem
Silenciosa. Em sua mensagem ele me diz que preciso viver os
Momentos que a vida me traz, que tenho que demonstrar e falar do
Meu amor com as pessoas que amo. O meu amigo me disse que
Preciso fazer as pessoas que amo, saberem que são amadas por mim.

O meu amigo partiu deixando um vazio em minha vida e, o tempo
Que ao passar trás o esquecimento, não consegue fazer-me esquecer
O meu jovem amigo. Ainda hoje, não consigo olhar os olhos da sua
Irmã sem ver seus olhos e é-me impossível ver sua mãe triste sem
Me entristecer também. O meu amigo partiu aos dezenove anos de
Idade, ele partiu levando consigo todos os seus sonhos, juntos com
Os sonhos que seus pais sonhavam com ele compartilhar. O meu
Amigo partiu antes de viver a vida que a vida havia lhe prometido,
Ele permitiu que a ingenuidade lhe roubasse o que de mais caro
Havia recebido de Deus.

                                   *

Fazer nada - Doing nothing


Corro! Vou atrás do nada, para ver como o nada é e o que ele
Esconde. Não faço nada enquanto nada tenho para fazer e são tanto
Os "nada“ feitos, que me pergunto: por que faço tantas coisas
Quando o "nada" já serve, ainda que não sirva para nada? No fim
Do dia quando mais nada tenho para fazer, calço o chinelo, jogo
Uma camiseta folgada sobre uma bermuda desgastada e com as
Mãos no bolso desço a rua arrastando os chinelos no asfalto que,
Preguiçosamente, deita-se em meu caminho.

Vou! Desço a rua ao encontro do nada para saber com que o
"Nada" se parece. Quero saber o porque de o "nada" existir, e
Por que as vezes gosto de não fazer nada? Para que serve o
"Nada"  numa vida onde já não tenho muito o que fazer? Vejo
Pessoas deitadas na areia da praia, outras descansam sob a
Sombra de uma nuvem que, sem ter nada para fazer, descansa
Preguiçosamente suspensa entre o céu e a terra.

Preciso descobrir o que há no "nada" que tanto encanta a todos.
Todos adoramos ficar atoa, fazendo "nada" e este é o mistério
Que quero desvendar. Quero saber o que existe no "nada" que
Sendo "nada" consegue ser muita coisa. O que mais há no mundo
É gente fazendo "nada" e fazendo nada, os "nadas" acumulam-se
Até que um dia alguém terá que fazer algo para livrar o mundo
Do lixo que é o "nada". Preciso parar de fazer "nada" enquanto é
Tempo, enquanto o "nada" não começou a me sufocar, a sufocar
O planeta. Por falar em "nada", o que é mesmo o "nada"?

                              *


Doing nothing


I run! I go after the anything to find out what the “nothing” is and
What the “nothing” hides. I do not do anything while I have
Nothing to do and there is so much nothing" done, that I wonder:
Why I do so many things when the "nothing" is already done,
When the nothing has no purpose? At the end of the days, when
I have nothing else to do, I put on my slipper pad and a T-shirt
Over a old pair of shorts and with my hands in my pocket I go
Down the street lazily dragging my slippers in the asphalt that lies
In my way.

I will go! I walk down the street to meet the “nothing”, trying to
Know how the "it" looks likes. I want to know why the "nothing"
Exists, and why sometimes I like to do nothing? What’s for there
Is the "nothing" in a life which I have not much to do?
I see people lying on the beach, other lying down on the shadow
Of a cloud which, with nothing for to do rest, lazily, suspended
Between heaven and the earth.

I need to figure out what is in the "nothing" that delights so many
People. We all love to do "nothing" and this is the mystery that I
Want to unravel. I want to know what is in the "nothing" that
Being "nothing", get to be a lot. What most have in this world is
People doing "nothing" and, by doing “nothing” will come the day
When the “nothings" will accumulate till someone must to do
Something to freed the world from the garbage that the "nothing" is.
I need to stop myself of to do "nothing" while it is time, while the
"Nothing" do not start to choke me, while the “nothing” do not start
To suffocate the planet. Speaking ofnothing", what really is “it”?


                               *

Amando-te - Loving you


Olha o céu te olhando! Sinta o vento te beijando, sacudindo os
teus cabelos, tornando a tua beleza mais graciosa. Veja eu te
observando, te admirando, sonhando acordado contigo. Observe
A beleza das coisas admirando a tua beleza, querendo ser tão bela
Quanto a ti. O sol brilha para te aquecer, os pássaros cantam para
Dar mais vida a tua vida e eu vivo para te amar. Penso em ti e em
Tudo que te faz tão especial para mim. Veja! Sinta as coisas
Acontecendo com o intuito de fazer-te feliz! Sinta! Perceba o meu
Amor querendo ser amado por ti.

Ouça a minha música! Entenda-a, deixa-a te envolver e te trazer
Para mim. Sinta o meu amor por ti, ouça-o chamar o teu nome! Ele
Te chama cantando a música que mais gostas de ouvir, te chama.
Sinta a água banhando o teu corpo, refrescando-o, o fazendo
Sentir-se leve, lindo. Ao te banhar a água conhece a tua nudez da
Forma como sonho conhecer, ela penetra em teu corpo e vai onde
Sonho um dia chegar. Veja as estrelas no céu juntarem-se para
Testemunhar o nosso encontro, para testemunharem as nossas juras
De amor. Veja! Veja a natureza te amando, te amando como sonho
Ser amado por ti.

Observe a brisa soprando os campos e trazendo para ti, sobre ti,
A mais gostosa fragrância. Fragrância que te envolve com o
Perfume dos perfumes, como no sonho dos meus sonhos te beijo
Com beijos cheios de amor. Veja! Experimente a felicidade que
Bate à porta do teu coração. Sou eu, é a natureza, tudo e todos te
Amando, querendo fazer-te feliz. Ama-me! Deixe-me te amar,
Seja eu e permita o meu amor ficar contigo. Veja o vento levando
Para distante de ti as nuvens para que o sol brilhe livremente em
Teu céu. Me ame! Permita-me te amar, sejas minha.

                              *


Loving you


Look at the sky watching you! Feel the wind kissing you, shaking
Your hair, making your beauty more gracefully. See me watching
You, admiring you, dreaming you. Watch the thing’s beauty
Admiring your beauty, wanting to be as beautiful as you are.
The sun shines to warm you up, the birds sing to put more life
Into your life and I live to love you. I think of you and about
Everything that makes you so special to me. See! Feel things
Happening in order to make you happy! Feel! Notice my love
Wanting to be loved by you.

Listen to my music! Try to understand it, allow it to involve you
And bring you to me. Feel my love for you, hear my love calling
Your name! It calls you by singing the song that you most love to
Hear. Feel the water bathing your body, refreshing it, making you
To feel light, beautiful. When the water bathes you, it get to know
Your nakedness, in the way I dream to know you. The water
Penetrates into your body and goes where I dream, one day, to be
Allowed to go too. Watch the stars in the sky get together to
Witness our date,  to witness our vows of love. See! See the
Nature loving you, loving you as I dream to be loved by you.

Feel the breeze blowing the fields and bringing to you, on you, the
Most delicious fragrance of flowers. A fragrance that involves you
With the perfume of the perfumes. As a dream of my dreams I kiss
You with kisses full of love. Look! Experiment the happiness that
Are knocking at your heart’s door. It is me, it is the nature, and it is
Everything and everyone loving you, wanting to make you happy.
Love me! Let me love you, be mine and let my love stay with you.
See the wind taking to faraway from you,  the clouds in the way the
Sun may shy freely at your heaven. Love me! Allow me to love you,
Be mine.


                               *