Oprofeta

Oprofeta

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Caminhando os sonhos

Caminho os sonhos,
Vou onde a imaginação se esconde,
Encontro o mar onde o céu repouso,
E faço desse lugar o meu pouso,
Onde repouso o meu pensar.

Caminho os sonhos,
E no entre sonhos esquivo-me dos pesadelos.
Sem zelo vivo os devaneios do muito pensar e penso:
Nasci para sonhar e sonho.
Sonho até o amanhecer chegar.

Caminho os sonhos,
Despisto as lágrimas e as desventuras.
Dou um jeito, vivo a alegria que foge de mim,
E assim caminho os sonhos, os desejos e
A vontade de encontrar.

Caminho os sonhos,
As picadas, as ruelas e os pensares.
Corro atrás do amor enquanto fujo da paixão.
Pobre do meu coração que não se cansa  de se enamorar.
Ele enamora e namora qualquer jeito meigo de pensar.


                       &

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Fim de ano

É fim de ano!
Sorrisos dados, sorrisos negados,
Amores vividos, amores desencontrados.
É fim de ano! Reflexões, renascer,
Gana pela vida, vontade de viver.

É fim de ano!
Luz que se apaga, perspectivas enterradas
Renascem.  Sorrisos e mais sorrisos.
Sonhos, desejos, vontades,
Tempo novo chegando.

É fim de ano!
Despedida do que não foi realizado,
O adeus do que nos deixou.
Sol, chuva, chão, sorriso e lágrimas,
Desilusões.

É mais um final de ano!
Lutas perdidas, estradas vencidas.
Novos amigos, novas histórias, casos.
Ano novo, tudo se renova,
Inclusive os sonhos, as ilusões.

Ano novo!
É uma dádiva vivê-lo,
Viver este tempo, renovar esperanças.
Tempo que vai, tempo que vem
Pessoas que vão, pessoas que vêm.

Horas, minutos e segundos,
Tempo que se perde no tempo e esquece.
Segundos, minutos, horas,
Momentos que chegam e se fazem “vida”.
É ano novo, são sonhos, sonhos.

                                  Chuy, dezembro 24, 2014

                             &


quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

O povo de Deus

Não tarda e Jesus estará aqui, entre nós.
Jesus está voltando, quiçá já voltou.
Sim, Jesus já está aqui! Ele está em mim,
Em ti, em nós, o Seu povo.
Jesus voltou! Lágrimas choradas sob o
Açoites de chibatas e das humilhações
Transformar-se-ão em sorrisos e sorrirão.
Sorrirão e zombarão do sofrimento que,
Quase as convenceu de que suas penúrias
Jamais teriam fim.
Nós, povo de pele escura que, no
Passado, tivemos nossas dores enterradas
Na poeira das senzalas, e que hoje temos
Por cruz os morros, as favelas e os
Presídios, seremos descruficado por Jesus.
Não tarda e o peso da cruz, que pesa
Sobre os ombros do meu povo tão
Perseguido e discriminado, deixará de
Pesar. Eis que é chegado o tempo de o
Amor prevalecer sobre o mal. Jesus
Cristo voltou para livrar o meu povo,
Seu povo das agruras sob a qual tem
Vivido há séculos. Amado Jesus,
Não tarde! Quantos dos nossos ainda
Haveremos de ser crucificado para que a
Vossa luz brilhe sobre nos Senhor?
Livra-nos Senhor dos preconceitos que
Atormentam o nosso dia a dia, e nos
Açoitam sempre que nos atrevemos a
Olha-lo nos olhos. Não tarde em Seu
Retorno bondoso Jesus, pois todos os dias
Somos mortos pelo simples fato de
Termos nossa pele escura como a noite
Que nosso Pai criou para o repouso do
Corpo e a reflexão da alma.
Não tarda e Jesus nos salvará.

                                              Chuy, dezembro 18, 2014


                      &

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Não

Por que optar pelo “não”,
Quando o “não” nega tudo?
O “não” se despe dos sentimentos
E os abandona quando estes
Clamam por socorro.

Por que ouvir o “não” se ele
Mata, enterra os sonhos?
O “não” sufoca a esperança
E dá fôlego ao desespero.
Que desespero!

Não bata à bota do “não”,
Não lhe peça favores,
Não lhe seja devedor,
Não, não, não,
Nunca tome o “não” pelas mãos.

Por que recorrer ao “não”?
Pondere, não tranque porta!
Releve, não mate esperanças,
Não sufoque os sonhos,
Não diga “não”,

                     Chuy, dezembro 08, 2014

              &


sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Minha esposa

Senhora de lindo sorriso,
O sorriso mais bonito que já vi.
Lábios rosa, cascata de flores,
Sonho, devaneios, desejos.
Teus olhos transbordam amor,
Amor.

Esposa, minha esposa!
Doce companheira,
Amiga,
Mulher,
Amante,
Amada.

Amante! 
Em teus braços sou forte,
Esposa!
Em teu corpo sou amante,
Mulher!
Contigo tenho paz.

Minha esposa!
Minha mulher, amante.
Amiga, companheira,
Desejo de viver,
Viver o amor
O teu amor.

                   Chuy, dezembro 05, 2014.

           &




quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Deixa-me só

Deixa-me só!
Esconda-me dos teus sentimentos.
Que importa os lamentos,
Se de qualquer forma vão lamentar?

Cala-te!
Ainda que o teu silêncio fira, cala-te.
Deixe o nada, ressentido, resmungar.
Resmungue resmungar!

Não sorria agora!
Ainda que te cause prazer o penar, não sorria.
Não sorria antes de o depois chegar.
Pobre os que não sabem amar.

Espere!
Cala-te e espere!
Não é vitorioso ferir o amor,
Não sorria ao matar o amar.

                   Chuy, dezembro 04, 2014.


                     &

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Nostalgia

Dançando com o vento,
Sou empurrado pra lá e pra cá.
Danço! Danço danças sem ritmo,
Só um grito a me escutar.

Murmuro os lamentos do vento,
Sem tempo para me escutar.
Canto o silêncio das madrugadas,
E as tristezas de quem não sabe cantar.

Beijo beijos gélidos,
Durmo nos braços dos medos da noite.
Solitário como o abandono, assustado,  
Ouço da tristeza o que ela tem para contar.

Sem motivação para cantar,
Declamo os lamentos dos dias cinzentos.
Murmuros, angústias e pensamentos toscos,
É o que sou, são medos, medos.

                        Chuy, dezembro 03, 2014.
                  

                    &

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Sem nada

Coisas,
Sorrisos,
Apertos de mão,
Medos
Solidão.

Pensamentos,
Alentos,
Interrogação,
Coração
Decepção.

Decisões,
Dúvidas,
Tristezas,
Lágrimas,
Sorriso.

Palavras,
Olhares,
Desconfianças,
Incertezas,
Pânico

          Chuy, novembro 02, 2014


              &