Oprofeta

Oprofeta

sexta-feira, 26 de junho de 2015

As coisas

O escuro vestindo a noite,
A cisma do silêncio,
A incerteza da espera,
As dúvidas.

O lamento do vento,
O ranger da porta,
O bater da janela,
O estremecer.

O arrepio da pele,
O disparar do coração,
O amargo da boca,
A palpitação.

A madrugada,
O orvalho,
A relva molhada,
O nascer do sol.

Esperança,
O novo que não acontece,
Mais um dia,
Outro dia.

     *



quinta-feira, 25 de junho de 2015

Sou eu

Assim,
Como os pensamentos confusos,
As idas e vindas,
As lágrimas.

Assim,
Como os sorrisos abandonados,
Como a estação chuvosa,
O frio.

Assim,
Como as histórias inacabadas,
O tempo sem nada,
Sem razão de ser.

Assim,
Como o abraço de despedida,
As lágrimas de adeus,
O vazio que fica.

Sou eu,
Sou eu,
Sou eu,
Sou eu.

               &


quinta-feira, 18 de junho de 2015

O fim


 O tombo,
A morte,
A sorte do silêncio que cala.

A dor,
A lágrima,
O sorriso que sorri, que só ri.

O susto,
O medo,
O soluço, o desespero.

O início,
O meio,
O fim.

O eterno,
O impensável,
O fim, o fim.

     &