Oprofeta

Oprofeta

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Destroços



Choro destroços,
Precalços que a vida me impõe.
Sofro nos descaminhos que vivo,
Vivo desamores que desamei.
Em quem ontem bati, hoje me bate,
Cacos que quebrei me cortam,
Às vítimas dos amores que desamei,
Peço perdão e seus perdão não me perdoa.     

O tempo furta-me o tempo que tenho,
As horas me escapam,
Fogem como os segredos que não guardei,
A sorte infiel acusa-me de infidelidade,
Infeliz experimento a infelicidade.
Caio sobre os destroços que destrocei,
Firo as feridas que feri,
Me ferem os sorrisos que outrora sorri.

Choro destroços,
Pedaços de amores que quebrei,
Restos das ilusões que matei,
Mentiras que menti,
Verdades que inventei.
Vida, mulher desumana!
Cobra-me pecados que me deste a viver,
Castiga-me como se fosses tu inocente,
Sem culpa nos pecados que pequei.  

   &



quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Te amo - I love you




Te amo!
Com maior intensidade que os voos dos pensamentos,
Te amo.

Te amo!
Com o mais profundo da pureza,
Te amo.

Te amo!
Como o mais terno dos olhares,
Te amo.

Te amo!
Te amo!
Te amo.

Te amo!
Simples assim,
Te amo.

Te amo!
Sem explicações,
Te amo.

Te amo!
Como uma canção,
Te amo.

Te amo!
Te amo!
Te amo.

Te amo!
Como o vento beijando as flores,
Te amo.

Te amo!
Como os mistérios da madrugada,
Te amo.

Te amo!
Como a brisa perfumando as manhãs,
Te amo.

Te amo!
Te amo!
Te amo.

      
&



I love you


I love you!
With the thoughts ‘intensity,
I love you.

I love you!
With the purity´s deepness,
I love you.

I love you!
As the most profound gaze,
I love you.

I love you!
I love you!
I love you.

I love you!
Simple like that,
I love you.

I love you!
No explanation,
I love you.

I love you!
As the most sweet song,
I love you.

I love you!
I love you!
I love you.

I love you!
As the wind kissing the flowers,
I love you.

I love you!
As the dawns ‘mysteries,
I love you.

I love you!
As the morning´s breeze,
I love you.

I love you!
I love you!
I love you.

&

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Tudo, nada - Nothing



Teus olhos,
Teus braços,
O abraço,
O afeto,
O beijo,
O teu calor,
O teu perfume,
O teu jeito,
As lembranças,
A saudade.

O tempo,
A vontade,
Querer estar perto,
A distância,
As recordações,
A tristeza,
As lágrimas,
As lágrimas
O frio,
O coração.

A solidão,
O inverno,
O frio,
O nome,
Teu nome,
A tua voz,
O longe,
O lugar,
O vento
Saudades.


    & 


Nothing

 Your eyes,
Your arms,
A hug,
The affection,
The kiss,
The glow,
Your perfume,
Your way,
The memories,
The longing.

The time,
The wish,
To stick around,
The distance,
The memories,
Sadness,
Tears,
Tears,
The cold,
The heart.

The loneliness,
The winter,
The cold,
The name,
Your name,
Your voice,
The away
A place,
The wind
The longing.

&

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Negro - Black



Negro, filho da dor,
Parido sem gritos,
O descanso nunca o ninou,
O mel não adoçou a sua boca,
Mas o fel o amamentou.  

O teu olhar o acusa,
A tua arrogância o açoita,
A tua desconfiança o agride.
Negro, vítima do teu ódio,
Detento da tua repreensão.

O teu racismo o acusa,
A tua polícia o policia,
Não importa se de noite ou de dia,
Negro para ti é suspeito,
As tuas atitudes o denuncia.

Negro altivo,
Tripudia o teu menosprezo,
Zomba da tua fidalguia,
Desdenha da tua soberba,
Tira-te para dançar.

Negro valente,
De vencido a vencedor,
Vence o tempo,
Para vencer a dor,
Vencer o seu opressor.


&


Black


Black, the pain´s son,
Given birth without screaming,
The rest never cares him,
The honey didn’t softened his mouth,
However, the gall nursed him.

Your gaze accuses him,
Your arrogance hurt his soul,
Your distrust spanks his body.
Black, victim of your hate,
Prisoner of your repulse.

Your racism accuses him,
Your police, police him,
Whether night or day,
At your yeas, black is suspect,
Your attitudes accuses him.

Haughty black,
Despise your contempt,
Laugh of your nobility,
Disdain of thy pride,
Takes you to dance his dance.

Brave black,
From loser to a winner,
Defeat the time,
To overcome his pain and
Beat his oppressor.


&



sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Só - Alone




Só!
Só, como as noites sem lua.
Só, como o silêncio da madrugada.
Só.

Só!
Só, falo e o silêncio mudo responde.
Só, a alegria me falta.
Só.

Só!
Estando só, tempo não me falta,
Lentas, as horas não passam.
Só.

Só!
Só, falo e não te ouço,
Só, sinto as lágrimas chorarem.
Só.

Só!
Só, chamo-te e não me respondes.
Só! Ouço o meu coração triste.
Só.

  

&



Alone


Alone!
Alone, as the moonless nights.
Alone as the silence of the early morning.
Alone.

Alone!
Alone, I speak and the silence responds me.
Alone, I am an emptiness.
Alone.

Alone!
Being alone, I have plenty of time,
Slow, time remain in standby.
Alone.

Alone!
Alone, I speak and I cannot hear you,
Alone, I feel the tears to cry.
Alone.

Alone!
Alone, I call you and you do not answer me.
Alone! I hear my heart´s sadness.
Alone.


&